terça-feira, 21 de julho de 2009

Alijó dá Música na Revidouro



Alijó esteve em festa, de 17 a 19 de Julho de 2009. Com o objectivo de colocar a REVIDOURO, na sua quarta edição, no TOP TEN das Feiras de Vinhos e Gastronomia, a Câmara, em ano de eleições, abriu os cordões à bolsa, apoiando a participação de representantes das freguesias do concelho no cortejo etnográfico. Para dar mais visibilidade ao evento, trouxe à vila os Xutos & Pontapés, a mais famosa banda de rock português.



Tinha programado ir a Vila Flor, à Feira Terra Flor. Porém, depois de tomar conhecimento da realização da Revidouro, em Alijó, na mesma altura, decidi ir também a esta Feira de Vinhos e Gastronomia. O que me levou à vila duriense foi o facto de a feira ser de vinhos. A minha expectativa era de nela conhecer vinhos locais e fazer compras para a garrafeira. Além desse chamariz havia também o apelativo concerto dos Xutos & Pontapés e um eventual interessante cortejo etnográfico, no dia seguinte.





Saí de Vila Flor para Alijó já passava das 22 horas de Sábado, dia 18 de Julho. Fui pela estrada que passa em Carrazêda de Ansiães e desce para a estação de Foz-Tua. A noite era escura como breu e as curvas, cortando os socalcos, sucediam-se a um ritmo alucinante. Quando cheguei a Alijó, por volta da meia-noite, o concerto da banda de rock, a festejar trinta anos de carreira, já havia começado. A minha esperança era que ainda não tivessem cantado Sem eira nem beira.


Como tantos outros participantes, nunca tinha estado em nenhum concerto de banda de rock. Foi o meu baptismo. Havia imensa gente, de várias gerações e estratos sociais. A entrada, gratuita, ajudava a encher o espaçoso recinto. As vibrações musicais, saídas das colunas de som, pareciam entranhar-se no meu corpo, produzindo em mim um efeito electrizante. Quando o espectáculo terminou, já passava das duas da manhã, sentia-me agradado com a experiência. Nessa noite, um bonito fogo-de-artifício pôs fim à festa.

Fui dormir ao Pinhão. Aí fiquei com a ideia de que há algum ressentimento contra Alijó, alegadamente por entravar o desenvolvimento da terra. Antes do regresso à vila, sede do concelho, domingo à tarde, fui visitar o túmulo do escritor Miguel Torga, na sua terra natal, e conhecer, em Sabrosa, a casa onde nasceu Fernão de Magalhães, o primeiro europeu a pisar solo chileno.


Na estrada vinhateira de Sabrosa a Alijó ia com o rádio do carro sintonizado numa estação de rádio local, ouvindo loas aos prémios recebidos pelos vinhos da Cooperativa Agrícola de Alijó. No recinto da feira entrei nesse stand para me inteirar da qualidade dos vinhos produzidos pela cooperativa, tendo provado o moscatel e o branco. O moscatel, de tão doce, pareceu-me um néctar de deuses e o vinho branco, fresco, frutado, agradou-me. O tinto, reserva 2001, já não ousei degustá-lo, fiquei satisfeito com as explicações solicitadas. A compra ficou apalavrada; prometi voltar depois do cortejo etnográfico para por as caixas de vinho no carro, o que fiz antes de regressar a Travancas da Raia.


O stand da CMA, à entrada da feira, antecipando-se à campanha eleitoral para as autárquicas de 2009, distribuiu, a rodos, t-shirts e bonés Revidouro aos visitantes. A mim também me coube um boné, que tirei da cabeça por não me sentir bem no ar de parolo com que ficava, e uma t-shirt XL que não posso usar no Passeio Marítimo de Oeiras porque tem o logótipo torto.

Com que verbas foi pago esse material propagandístico? Bom, o presidente da câmara, em entrevista à comunicação social, afirmou que com a Revidouro foram gastos trezentos mil euros, 70% dos quais terão sido entregues pela Comissão de Coordenação da dita Região Norte, sediada no Porto, cidade candidata única a futura capital do hinterland transmontano e alto-duriense. Se isso vier a acontecer, lá vai pró maneta a aspiração dos autênticos transmontanos à criação de uma região administrativa de Trás-os-Montes e Alto Douro! Então, para cá do Marão mandam os que cá estão ou não?



Numa ronda rápida pelos expositores, detive-me na barraca do pintor José Manuel Teixeira Cimode. Não tenho saber para avaliar o valor técnico e comercial da sua pintura mas senti-me atraído pela cromática destes ouriços arreganhados. Numa parede de granito deviam ficar muito bem mas na casa da aldeia há falta de espaço para eles. Num quadro, além de gostar de cores fortes, valorizo a pintura produzida por pintores transmontanos e a temática relacionada com Trás-os-Montes.


O Cortejo Etnográfico


Sob um Sol abrasador, de tostar a moleirinha aos calvos, coloquei-me num lugar que achei adequado para filmar e tirar fotos ao desfile etnográfico, uma excelente montra de costumes e tradições da região vinhateira do Douro. O desfile foi aberto pelos motoqueiros. Eu sei que não gostam da expressão, preferindo auto-designar-se motards, um francesismo. Mas para mim são motoqueiros e ponto final! Aliás, eu gosto muito dos motoqueiros, pela indumentária e estilo de vida de cavaleiros do asfalto, individualistas, libertários e irmanados no espírito de clã. São os tipos porreiros que nunca fui, agrilhoado a convencionalismos sociais.

Se fosse a minha parente brasileira a ver este casamento moderno diria “-Que chique!” Nele havia quase tudo: a igreja caiada de branco, o padre, os noivos, padrinhos e o extenso séquito de convidados. Só faltaram mesmo os popós com fitas de renda branca nas antenas, tão ao gosto dos emigrantes chegados de Paris para casar na terra.










Não consegui melhor foto da senhora em primeiro plano. O que me despertou nela a atenção foi o tradicional costume das mulheres que vão às romarias, poisarem o casaquinho sobre a cabeça para a protegerem do sol. Há gestos que se reproduzem de geração em geração! Nesta senhora, de inovador, vemos a roupa que deixou de ser preta e o uso, modernaço, de óculos de sol, imitação de Armanis comprados a cinco euros aos ciganos.

Nos trajes dos grupos etnográficos nota-se que as maneiras de vestir transmontanas são simples e pouco garridas, predominando as cores cinzentas, castanhas e outros tons escuros. Pobres também eram as terras, cobertas de calhaus, e as gentes que as trabalhavam. Mulheres do campo, carregavam quase tudo à cabeça: lenha, cântaros de água, cabazes, tachos de comida para os segadores …





Este casal, indiferente ao cortejo, prefere o remanso, à sombra da copa das árvores do jardim municipal.




Esta senhora, sem traços de mulher do campo, deve ter sido uma ruça formosa na sua juventude. O relógio no pulso dá-lhe ar de mulher urbana, embora possa ser esposa de abastado viniticultor. Atrás dela, a avozinha de cabelos brancos, apesar do calor, caminhava sorridente.






Trogloditas do Pópulo!

Embora não estranhe a presença de povoamento primitivo na outrora designada Terra de Panóias, desconhecia a existência e importância do castro do Pópulo. E não é que querem que seja considerado património da Humanidade pela Unesco?
Homenagem ao Homem do Douro


O concelho, situado na região vinhateira e tendo a limitá-lo, a oriente, as escarpas do Rio Tua, homenageia o homem do Douro, simbolizado no carregador dos cestos de uvas para as dornas.

Apesar do amargo de boca por não ter podido participar na caminhada Coração de Ouro, a Revidouro valeu a pena!

Cortejo - Os Fidalgos

5 comentários:

JORGE DELFIM disse...

Devia Haver eleições 3 vezes por ano.

Bom trabalho!


Um Abraço


Jorge Delfim

Xo_oX disse...

Parece que o concerto foi animado... mas trocar Vila Flor por Alijó... ainda não me convenceu...
O folar estava óptimo...

Um abraço

Aníbal

aa disse...

Foi uma pena a "Revidouro" ter coincidido com a "Terra Flor" e não ter ido a Alijó ver os Xutos...
Gosto imenso de Alijó, pois foi lá que fiz os meus três últimos anos do secundário... e as recordações são as melhores... desde professores a colegas... mas, felizmente o trabalho faz com que eu vá lá com alguma regularidade...:)
Obrigado pela partilha das imagens...
Cmc's

AA

euroluso disse...

Jorge, com papas e bolos se enganam os tolos! lol

Anibal, também me soube bem o folar mas apreciei mais a vossa companhia! Quanto à troca de Santos por Xutos prefiro os que ouvi! São gostos ...

Alexandrina, se aprecia os Xutos e Pontapés, teria gostado do concerto.

Anónimo disse...

Não conheço o senhor que possui tão bem elaborado "Blog".
Fica a promessa, irei andar de olho vivo no paredão para lhe dar os parabens.
Fica só a intenção: Parabens senhor por seu "blog".
Alfredo