segunda-feira, 9 de março de 2009

Sabores Transmontanos IV

Vinhais, Capital do Fumeiro
07-02-2009



De Moimenta da Raia, onde estive à procura da Fraga dos Três Reinos, parti para a feira do fumeiro, em Vinhais, subindo, e depois descendo, por uma bonita estrada, no meio da neve.









Vinhais, capital do fumeiro. Título bem merecido, o desta vila de Trás-os-Montes.

Apesar do frio, estava uma linda tarde de Sol. Tinha nevado no dia anterior e a neve cobria de branco a Serra da Coroa. Sentia-me deslumbrado com a paisagem à minha volta.




Bons negócios em perspectiva!

Ao descer para Vinhais, o sol e a paisagem nevada foram desaparecendo gradualmente.

Na feira, perdida a chega, dirigi-me ao pavilhão das tascas para petiscar. Optei por um prato de presunto com queijo, pão, vinho e, de sobremesa, pudim de castanha. A empregada de mesa não tinha mãos a medir e, quiçá, sobrecarregada de trabalho, excedeu-se na conta, tendo de refazer a soma!

Reconfortado pelo petisco, dei a volta ao pavilhão de venda do fumeiro, mostra de artesanato e espaço "gourmet".


O porco bísaro é o rico porquinho que dá sustento a famílias vinhaenses e consola consumidores ávidos de experimentar a gastronomia transmontana.


Tenho vindo a Vinhais às feiras da castanha e do fumeiro e noto sucessivas melhorias nas infra-estruturas.
A organização, marcada pelo profissionalismo, cultiva o sentido do belo, evidenciado no uniforme usado pelas feirantes e na decoração dos quiosques, alguns com bonitos louceiros tradicionais.


Por parte do poder público houve o cuidado de limpar a neve das estradas para os visitantes chegarem em segurança à feira.
Senhor presidente da câmara não maltrate os professores do seu concelho por causa da neve e do gelo! Não lhe fica bem a animosidade contra os docentes!

-O presunto está a 1.800$00 escudos o quilograma mas eu faço-lhe desconto, vendo-o a 10 euros! – dizia-me a senhora mais velha, de Vila Boa. Deu-me vontade de rir com as contas dela mas, desfeito o engano, e depois de apalavrar que o presunto tinha mais de um ano de cura e de afirmar enfaticamente que aceitava a devolução se não estivesse bem curado, fechámos negócio, mesmo sem o selo de certificação de garantia! É o último, dizia, visivelmente satisfeita! Mas a satisfação é geral, comum aos produtores das feiras de fumeiro.


Vir à feira do fumeiro em tempo de neve, é uma experiência gratificante! Seria fantástico que todos os anos caissem nevões, em quantidade e intensidade, semelhantes aos deste Inverno!


Ao lado das máscaras de madeira, tradicionalmente usadas pelos caretos de Ousilhão nos seus festejos, juntam-se bonitas máscaras de barro, feitas com fins decorativos.

Vinhais fica numa encosta muito acentuada da Serra da Coroa. Praticamente só tem uma via, que não mais acaba, transversal à falda da serra. Apesar de ser uma vila pequena, tem edificios seculares, alguns deles muito bonitos, valendo a pena preservá-los. O seu património cultural é dos tesouros mais valiosos de Trás-os-Montes.

Escultura de 5m de altura, em tronco de castanheiro Autor – Paco Pestana (Espanha). 2006
Crónica doce de uma triste derrota
"No ano de 1666, as tropas espanholas, comandadas pelo general Pantoja, cercaram a vila de Vinhais numa fracassada tentativa de conquista. Heroicamente, os vinhaenses defenderam o seu castelo, a partir das muralhas, recorrendo a todo o tipo de armas, entre as quais as suas ferramentas de trabalho no campo, derrotando os invasores."
À medida que conheço a história de Vinhais, descubro que o portuguesismo, nestas gentes da fronteira, está muito enraízado.






Cumpriu-se a tradição!
Há vários anos que a vila de Vinhais, depois da feira do fumeiro, desce até Oeiras para realizar uma mini feira similar. Os habitantes da área metropolitana de Lisboa que não puderam deslocar-se a Trás-os-Montes, têm, assim, uma boa oportunidade para comprar chouriças, salpicões, alheiras, presunto, folar, doçaria e artesanato transmontano.
Este ano, como tinha ido à feira em Vinhais, e como tinha vindo de Trás-os-Montes há pouco dias, apenas comprei folar, mas já houve um ano em que arrematei um presunto no leilão!

A Oeiras deslocou-se também um grupo de dezasseis gaiteiros de Vinhais. Gostei de ouvi-los tocar mas a farda, apesar de ser simples e não ser feia, podia ser mais castiça; estar em sintonia com as tradicionais cores do vestuário típico de Trás-os-Montes!


Filho e neto de peixe sabe nadar!








Souto em Moimenta junto à estrada de Vinhais

Gaiteiros de Vinhais em Oeiras



1 comentário:

aa disse...

As fotografias da neve são autênticos postais! Parabéns!

Bem, ainda me ri com o negócio do presunto... e olhe que aquele preço era mesmo com consideração... pois já era o último e por isso fazia-lhe um 'bom' desconto...:)))
A fazer contas assim, a senhora nunca perde...:)
Pelas fotos que colocou e pelo que descreveu, acredito que tenha bem valido a pena ir à Feira do Fumeiro... e que feiras como essa nunca acabem...
Cumprimentos,

AA